Páginas
TwitterRssFacebook
Categorias

Postado por em jul 20, 2015 em -, PRA SUAR | 16 comentários

Quando correr é melhor para a mente do que para o corpo

Quando correr é melhor para a mente do que para o corpo

Cabeçalho Flávia Nobre

Somos uma montanha russa, não é mesmo? Nosas emoções sobem e descem, uns momentos de extrema alegria, mas outros que não estamos lá cem por cento… Há fases mais sensíveis, um tanto desanimadas com as coisas. Falta um certa disposição para tudo, até mesmo para a prática de atividade física. E, então, o que fazer? Ficar quietinha esperando-a passar? Ler um livro de auto-ajuda? Comer? Beber? Não! Experimente calçar um par de tenis e sair por aí…

A corrida me ensinou várias coisas ao longo de todos esses anos, mas ainda não tinha a experimentado como remédio (digamos assim) para esses dias sensíveis. Até que um belo domingo de inverno, no meio de uma crise de tristeza, tinha que cumprir meu treino. Confesso que bateu a maior preguiça de sair, era desânimo mesmo. Vontade de ficar em casa, deitadinha no meu canto, separada do mundo. Mas eu tinha que ir correr, afinal, faltariam poucas semanas para a primeira meia maratona da temporada. Bom, coloquei minha roupinha e fui, fazer o que, né?!

CORRIDA

Acho que na partida, já comecei bem: escolhi um percurso diferente! Ao invés de sair para um lado, fui para outro, que nunca ou raramente ia. Quando treinamos na rua, ficamos condicionados a seguir sempre o mesmo caminho; muitas vezes, a gente nem percebe e, quando se dá conta, já estamos no KM 3 do velho percurso. “Saia da rotina, do automático”, foi a primeira coisa que aprendi neste dia.

Separei também uma bela trilha sonora (farei um post sobre isso em breve!), músicas animadas, que eu amo. Faz toda a diferença ouvir algo como “The only way is up!” (O único caminho é para cima), “You can do it! Never Surender!” (Você consegue, nunca se renda) ou “Scream, if you wanna go faster” (Grite se quiser ir mais rápido) enquanto corremos. São frases de inspiração, que parecem que fazem suas pernas ficarem mais fortes e a mente focar no seu objetivo.

Claro, não há mágica. Os primeiros minutos, até que o corpo aqueça são mesmo de lascar… O que é que eu vim fazer aqui mesmo? E sigo me “xingando”, com as preocupações ainda rodando na cabeça. Mas, aos poucos, a mente vai se distraindo com o caminho… É um cachorrinho que passa, um bebê no carrinho, uma vovó na janela, outro corredor que passa em sentido contrário… Sair de casa, do casulo, foi realmente ótimo!

Com o passar dos quilômetros, vamos nos desligando dos que nos prende, deixando as preocupações escorrerem pela pista… Avançamos pelo caminho, uma linda paisagem ajuda…

vista

Chego ao lugar mais lindo para se treinar no Rio de Janeiro: A pista Claudio Coutinho. Corremos sobre o mar, embaixo do morro da Urca, no meio da floresta tropical, cercada de macaquinhos, turistas e crianças. A mente acalma, o sorriso começa a aparecer. São cinco quilômetros que nos tiram do mundo. Agora, já estamos aquecidos, a endorfina já começou a fazer seu trabalho. Ganhamos gás para seguir em frente. Os problemas? Temporariamente ficaram nas passadas até ali.
Já mais bem animados, conseguimos ir além, continuar nosso caminho. Neste estágio, a corrida já está na metade, as pernas começam a doer, mas a cabeça experimenta uma sensação boa, como ela estava precisando. Música, água, isotônico… Continue, Persevere! Essa é a lição daquele estágio, agora está cada vez mais perto do fim. Motivação extra para mais dois ou três quilômetros.

E, quem diria, que ainda haveria muita coisa boa por vir? Quando desistimos, paramos no meio, o bem que nos espera não conseguirá chegar até nós. Talvez eu já soubesse disso, mas a paisagem cismou em querer me lembrar…

Foi virar uma curva e dar de cara com uma vista linda. Parei. Parei para contemplar, para deixar aquele momento se eternizar no meu dia. Hidratei, pensei, tirei foto. O céu estava lindo com a tarde que caía, aquela temperatura agradável, uma brisa me abraçando. Foram dois minutos revigorantes, que descansam e ajudam a solidificar nosso eixo. Pare! Olhe! Contemple! Muitas vezes passamos preocupados e não notamos a beleza a nossa volta. Tudo bem, o Rio de Janeiro é incrível mesmo, porém, nesta etapa a limpeza na mente já estava feita. Podia estar em um lugar menos inspirador que estaria bem, pois o que realmente importou foram esses momentos de mim comigo mesma, com meus objetivos, com os pensamentos livres.

Encerrei revigorada e parti para casa de volta. Treinei? Muito! No total foram 17 Km…

17 KM

Mas, o maior ganho do dia não foi a resistência, a velocidade, a força… O que realmente ganhei foi uma mente mais firme, mais disposta a lutar, com uma melhor percepção do mundo à minha volta. E a certeza de que Dias Melhores virão!

“Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar, rir pra não chorar …. Quero assistir ao sol nascer, ver as águas do rio correr… Ouvir os passaros cantar, quero nascer, quero viver…. Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar. …. CORRER PRA NÃO CHORAR. …”

Pernas pra que te quero! Bons treinos e até a próxima!

Flavinha

16 Comentários

  1. Flaviiiiiiiiiiiiiiiiiiiinhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa,ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiii,parecia q eu estava lendo o meu relado,hahahahaha

    Prazer em conhecê-la

    [Responder]

    Gravatar

    Flavinha Nobre respondeu:

    Olá Silmara!! A gente é corredora, a gente se entende e fala a mesma lingua, né!?!?! Rs rs rs rs rs rs rs rs

    Obrigada pelo carinho!! Fique ligada que em breve vem post novinho por aqui!! Bjo Grande e continue nos KM!

    [Responder]

  2. ADOREI! Pernas para que te quero!!! Pequena, texto ótimo e inspirador, como vc, de fato, é. Bj.

    [Responder]

    Gravatar

    Flavinha Nobre respondeu:

    Que bom, Marquitos!! OBrigada pela força e Pernas Pra que te Quero!! Taca-lhe pau nesses KM!!! Bjo Grande

    [Responder]

  3. A alegria personificada… sempre nos lembrando que podemos ser melhores… muahhh pra vc pequena amada!

    [Responder]

  4. Toooooodo mundo, ao menos uma vez na vida, deveria correr na pista Claudio Coutinho! Sou apaixonada por aquele lugar! <3

    [Responder]

    Gravatar

    Fabi Monte respondeu:

    Eu já corri lá! Delícia mesmo!

    [Responder]

    Gravatar

    Flavinha Nobre respondeu:

    Oi Dani!!!

    Ali é maravilhoso mesmo!! Não há tristeza que fique em pé depois daqueles 5K de ida e volta, né?! E os macaquinhos te olhando, lindos!!! Obrigada pelo carinho! Volte sempre, que tem muita coisa ainda por correr e escrever!! Bjo Grande!

    [Responder]

  5. Chorei ao ler…talvez porque tenho me sentido assim…mas, hoje já disse decidi…vou mudar essa estória e voltar a treinar firme. Muito obrigada

    [Responder]

    Gravatar

    Fabi Monte respondeu:

    Boa querida! Estamos juntas! Conte com a gente aqui! Bjs, Fabi

    [Responder]

    Gravatar

    Flavinha Nobre respondeu:

    Chorei eu agora……. :-))))
    De alegria ao ver que consegui inspirar alguém a voltar a treinar! Vai fundo, Dalva e depois volte para comentar como se sentiu! Se quiser, pode me inscrever também, pelo e-mail, fique a vontade! Bjo e Bons KM!

    [Responder]

  6. Essa pequena é uma inspiração mesmo! Pernas pra que te quero!! Beijos amada!

    [Responder]

    Gravatar

    Flavinha Nobre respondeu:

    Opa!! E vc me inspira muito com o seu! :-)

    [Responder]

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *